Sem Freios


E eu que enfrento o escuro com medo do que possa encontrar.
Já não me escondo nos meus medos.
Enfrento todos com o meu peito exposto
Para que possam atirar.
A bala fere, rasga a pele.
Mas o aprisionamento do medo fere bem mais.
Já não caibo mais em mim.
Apesar de me bastar.
O medo vem e passa.
Assim como a vida.
Assim como as pessoas.
Vontades e desejos são refeitos.
Prazeres ressentidos.
Só o tempo perdido
Que não se dá para recuperar.
A reprodução do texto está autorizada desde que a fonte/autoria seja citada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s