Desilusão


Eu não quero pedir atenção.
Nem mais que gostem de mim.
O que eu queria eu já fiz.
Não há como fingir.
Há muito gritei.
Gritei entre portas
E janelas abertas.
Não ouvi respostas.
Nem o eco das minhas palavras
Souberam voltar.
Agora não há volta.
Perdi muito tempo
Fugindo com medo do escuro.
Descobri que não foi a falta de luz
Que me fez mal.
Foi a minha incapacidade de pedir socorro
A mim mesmo.
Pedi demais a quem não devia.
Corri.
Fui atropelada pelos meus passos.
Não fiquei só.
Apenas porque me deixaram só.
Fiquei só.
Porque fui induzida a isso.
Adriana Freitas
A reprodução do texto está autorizada desde que a fonte/autoria seja citada.

Anúncios

4 thoughts on “Desilusão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s