Companhia


E quando a dor chega, o que fazer? Já pensei em me livrar dela, abafá-la, dopá-la até esquecer. Até adormecer. Só não tentei fingir que ela não existe. Preferi deixa-la vir. Nem fugir e nem camuflar.
Assumir a dor, conviver com ela. Acostumar-se até não doer mais. Até ela ter um papel secundário na vida. Até sua ferida secar ou não me paralisar de medo ou dor. Não alimentá-la e nem tentar extingui-la.
Apenas deixar seguir o seu curso. Aprendendo a conviver com ela. Já que ela, teimosa, insiste em ficar. E por mais que eu tente, ela não se despede.
Adriana Freitas
A reprodução do texto está autorizada desde que a fonte/autoria seja citada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s