A um poeta de verdade


Pra quer camuflar a flor?
Se ela só tem espinhos.
Pra quer evitar a dor?
Se é só esse o caminho.
Pra quer tentar ser igual?
Se o igual é tentar ser diferente.
Por que trocar de calçada?
Se o que vai encontrar já foi escrito
Nas entrelinhas do destino.
Por que não cantar?
Se a música evita as lágrimas que já rolaram.
E por que não dançar?
Se os pés já não estão mais cansados.
E por que não voar?
Se a lei da gravidade já não exercer nenhum efeito
Sobre esse corpo.
Que já não pesa mais.
Nessa vida igual.
Que tenta ser igual.
Já sendo diferente.
Perfeito unicamente.
Adriana Freitas
A reprodução do texto está autorizada desde que a fonte/autoria seja citada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s