Sobre Idas e Vindas


Um dia você resolveu ir. Na hora não foi nenhuma surpresa.
O coração apertou. Os olhos se mantiveram firmes.
As lágrimas não caíram naquela hora. Exatamente naquela hora os olhos se mantiveram firmes.
Também não houve sorrisos. E nem havia espaço pra isso.
Os lábios travaram como trincas. Nada foi exposto.
Apenas o silêncio da noite. O vazio dos espaços.
Tudo cresceu e diminuiu. As coisas perderam a proporção.
Os dias ficaram tristes e longos. Nada tinha fim. Nem a noite e nem o dia.
Tudo parecia o mesmo. Sem proporção. Sem começo e sem fim.
Até as lágrimas que venceram a resistência dos olhos ficaram indefinidas.
Enfim você quis ir. E mesmo com todas as reações sentidas pelo corpo te deixei ir.
Não te espero na volta. A saudade que antes me fazia companhia também se foi.
Abri a porta. Na verdade ela sempre esteve aberta.
Mesmo querendo que ficasse. Deixei-te ir. Se quiseres voltar, até pode vir. Só não sei como será na entrada.
Encostei a porta. Talvez você precise empurrá-la. Talvez ela não se abra mais.
Quem sabe o que acontecerá no fim? Talvez você nem queira voltar. Talvez seja eu que queira ir.
A reprodução do texto está autorizada desde que a fonte/autoria seja citada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s